Avances en Psicología Latinoamericana

ISSN-e: 2145-4515

ISSN: 1794-4724 

Salud y relaciones de género: notas de un diario de campo sobre la vida en la calle

Adriane Roso, Verônica Bem dos Santos

DOI: http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.3379
Escanee aquí para descargar

Resumen


Este artículo presenta datos empíricos de una investigación cualitativa que aborda la salud de las mujeres que viven en las calles y las transversalidades en el cuidado de la salud. La producción de los datos se apoyó en la observación participante en las calles de una ciudad del interior de Río Grande do Sul, Brasil. La creación de campos culturales guio el análisis: relación con la(el) otra(o) en las calles; relaciones de género; y relación con los servicios de atención a la salud. La interpretación de las informaciones estuvo basada en un abordaje psicosocial y en autores que estudian la población que vive en las calles. La conclusión indicó que las mujeres observadas que viven en las calles representan una población bastante diversa en sus características y compleja en sus necesidades, quienes demandan cuidados que tengan en cuenta una variedad de transversalidades, especialmente aquellas que se refieren a las interacciones y relaciones establecidas en los medios donde viven

Palabras clave


salud pública, mujeres, vivir en las calles, integralidad en salud

Referencias


Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. (Coleção Pesquisa Qualitativa, U. Flick, Coord., J. Fonseca, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Aristides, J. L. & Lima, J. V. C. (2009). Processo saúde-doença da população em situação de rua. Revista Espaço para a Saúde, v. 10, n. 2, pp. 43-52. Disponível em http://www.ccs.uel.br/espacopara saude/v10n2/Artigo7.pdf

Bauer, M. W. & Aarts, B. (2002). A construção do corpus: Um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 39-63). Petrópolis: Vozes.

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, pp. 20-28. doi: 10.1590/S1413-24782002000100003.

Brasil (2000). Sistema Único de Saúde (SUS): Princípios e conquistas. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil (2003). Plano nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres - Programa de prevenção, assistência, e combate à violência contra a mulher.

Brasil (2004). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil (2006). Lei nº 11.340/2006. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para assuntos Jurídicos. Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil (2008a). Pesquisa Nacional sobre População em Situação de Rua. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil (2008b). Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil (2008c). II Plano nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Brasil (2009). Política Nacional para a População em Situação de Rua. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e combate à Fome.

Brasil (2012). Resolução N° 466/12. Sobre Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde.

CIAMPRUA (2010). Relatório preliminar do Seminário Internacional de Metodologia para pesquisas sobre população em situação de rua. Brasília, DF: Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Política Nacional para População em Situação de Rua.

Carneiro, N., Jr., Nogueira, E. A., Lanferini, G. M., Ali, D. A.,Martinelli, M. (1998). Serviços de saúde e população de rua: Contribuição para um debate. Saúde & Sociedade, v. 7, n. 2, pp. 47-62. doi: 10.1590/S0104-12901998000200005 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12901998000200005&script=sci_arttext

Cecilio, L.C.O. (2001). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e eqüidade na atenção à saúde. In R. Pinheiro & R. A. Mattos (Eds.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (pp. 113-126). Rio de Janeiro: IMS/UERJ – ABRASCO.

Costa, A. P. M. (2005). População em situação de rua: Contextualização e caracterização. Textos & Contextos, v. 4, n. 1, pp. 1-15.

Fonseca, C. (2009). Quando cada caso NÃO é um caso: Pesquisa etnográfica em educação. Revista Brasileira de Educação, v. 10, pp. 58-78.

Galvani, D. (2008). Pessoas em situação de rua na cidade de São Paulo: Itinerários e estratégias na construção de redes sociais e identidades. (Dissertação de mestrado em Ciências da Reabilitação, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gomes, R. C. M. (2006). Gente-Caracol: A cidade contemporânea e o habitar as ruas. (Dissertação de mestrado em Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre).

Guareschi, P. A. (1992). A categoria "Excluídos". Psicologia: Ciência e Profissão, v. 12, n. 3-4, pp. 4-11. doi: 10.1590/S1414-98931992000300002

Geremek, B. (1995). Os filhos de Caim: Vagabundos e miseráveis na literatura européia: 1400-1700. São Paulo: Companhia das Letras.

IBGE. (2014). Censo demográfico 2010. Resultados. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Jodelet, D. (1998). A Alteridade como produto e processo psicossocial. In A. Arruda (Ed.). Representando a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Joffe, H. (2012). “Eu não”, “o meu grupo não”: Representações sociais transculturais da Aids. In P. Guareschi & S. Jovchelovitch (Eds.). Textos em Representações Sociais. 13. Ed. Petrópolis: Vozes.

Matias, H. J. D. (2011). Jovens em situação de rua: Espaço, tempo, negociações de sentido. Psicologia & Sociedade, v. 23, n. 2, pp. 237-247. doi: 10.1590/S0102-71822011000200004

Matias, H. J. D. & Francischini, R. (2010). Desafios da etnografia com jovens em situação de rua: A entrada em campo. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 23, n. 2, pp. 243-252. doi: 10.1590/S0102-79722010000200006.

Mollat, M. (1989). Os pobres na Idade Média. Rio de Janeiro: Campus.

Rocha, D. & Deusdará, B. (2010). Contribuições da Análise Institucional para uma abordagem das práticas linguageiras: A noção de implicação na pesquisa de campo. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces, nº 40, pp. 47-73.

Roso, A. (2005). Cultura sexual e reprodutiva em tempos de Aids: Análise transcultural dos discursos relacionados à transmissão materno-infantil do HIV-1. (Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Porto Alegre).

Roso, A. (2007). O cotidiano no campo da saúde – Ética e responsabilidade social. In M. V. Veronese & P. A. Guareschi (Eds.). Psicologia do cotidiano: Representações sociais em ação (Coleção Psicologia Social). Petrópolis, RJ: Vozes.

Roso, A. (2010). Mulheres latinas e transmissão vertical do HIV: Visão dos profissionais da saúde que atendem mulheres soropositivas nos Estados Unidos. Revista Interamericana de Psicologia, v. 44, n. 2, p. 203-2012.

Spink, M. J. P. (2003). Psicologia social e saúde: Práticas, saberes e sentidos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Strey, M. (2012). Apresentação. In M. Strey (Ed.). Gênero e ciclos vitais: Desafios, problematização e perspectivas (Série Gênero e Contemporaneidade, 8). Porto Alegre, RS: Edipurs.

Tiene, I. (2004). Mulher moradora na rua: Entre vivências e políticas sociais. Campinas, SP: Alinea.

Varanda, W. & Adorno, R. C. F. (2004). Descartáveis urbanos: Discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde & Sociedade, v. 13, n. 1, p. 56-69. doi: 10.1590/S0104-12902004000100007

Vieira, E. M. (2002). A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Villela, W. (2000). Saúde integral, reprodutiva e sexual da mulher: Redefinindo o objeto de trabalho a partir do conceito de gênero e da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. In M. J. O. Araújo (Ed.). Saúde das mulheres: Experiência e prática do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, pp. 23-32. São Paulo: Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

Yin, R.K. (2010). Estudo de caso. Planejamento e métodos. (4.ed.). Porto Alegre: Bookman.


El archivo PDF seleccionado se debe cargar aquí si su navegador tiene instalado un módulo de lectura de PDF (por ejemplo, una versión reciente de Adobe Acrobat Reader).

Si desea más información sobre cómo imprimir, guardar y trabajar con PDFs, Highwire Press le proporciona una guía útil de Preguntas frecuentes sobre PDFs.

Por otro lado, puede descargar el PDF directamente a su ordenador donde podrá abrirlo con un lector de PDF. Para descargar el PDF, haga clic en el enlace anterior.


Métricas