Contenido principal del artículo

José Victor De Oliveira Santos
Ludgleydson Fernandes de Araújo
Luciana Kelly da Silva Fonseca
Ana Gabriela Aguiar Trevia Salgado
Lorena Alves de Jesus

A presente pesquisa buscou identificar e analisar as representações sociais da velhice LGBT entre brasileiros. A amostra foi composta por 1000 pessoas adultas da população brasileira em geral, com idade média de 27,5 anos (DP= 9,25), sendo 64,9% mulheres. Utilizou-se entrevista estruturada que foi analisada a partir do programa Iramuteq, além de dados sociodemográficos. Nos resultados, a Classificação Hierárquica Descendente repartiu o corpus textual em quatro classes de proximidade representacional. Por um lado, representações sociais direcionadas a velhice LGBT como fase de solidão e sofrimento, que a sociedade ainda está conhecendo o fenômeno. Do outro, discussões baseadas em respeito, atenção e cuidado, além de velhice LGBT como uma conquista atribuída a felicidade. Discute-se que a diversidade amostral resulta nas diferentes representações sociais, e os dados revelam que a sociedade está se direcionando a compreender as diferenciações de gênero e orientação sexual na qual a velhice é uma fase na qual todos podem vivenciar.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

José Victor De Oliveira Santos, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Psicologia

Ludgleydson Fernandes de Araújo, Universidade Federal do Piauí

Professor no quadro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (Stricto Sensu) do Campus Ministro Reis Velloso da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Luciana Kelly da Silva Fonseca, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Psicologia

Ana Gabriela Aguiar Trevia Salgado, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Psicologia

Lorena Alves de Jesus, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Psicologia

Abric, J. C. (1998). A abordagem estrutural das representações sociais. In: A. S. P. Moreira & D. C. Oliveira (Orgs.), Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 27-38). Goiânia: AB.

Adams, M. (2015). Foreword. Em N. A. Orel & C. A. Fruhauf (Orgs.), The lives of LGBT older adults: Understanding challenges and resilience (pp. 01-02). Washington, DC: American Psychological Association.

Almeida, T., & Lourenço, M. L. (2010). Reflexões: conceitos, estereótipos e mitos acerca da velhice. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 6(2).

Alves, A. M. (2010). Envelhecimento, trajetórias e homossexualidade feminina. Horizontes Antropológicos, 16(34), 213-233.

Antunes, P. P. S., & Mercadante, E. F. (2011). Travestis, envelhecimento e velhice. Kairós Gerontologia. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Saúde, 14(5), 109-132.

Araújo, L. F. & Fernandéz-Rouco, N. (2016). Idosos LGBT: Fatores de Risco e Proteção. In: D. V. S., Falcão; L. F. Araújo; J. S. Pedroso. (Orgs). Velhices: Temas Emergentes nos Contextos Sociofamiliar, de Saúde Mental, Cuidado e Violência. 1ed. (pp. 22-32) Campinas-SP: Editora Alínea.

Brancaleoni, A. P. L., Vieira, F. S., Amorim, S. M. G., & de Oliveira, R. R. (2016). Transitando por direitos: concepções de travestis do interior de São Paulo acerca de Direitos Humanos. Revista Periódicus, 1(5), 335-356.

Cahill, S. (2015). Community resources and Government services for LGBT Older adults and their families. In: N. A. Orel & C. A. Fruhauf (Orgs.), The lives of LGBT older adults: Understanding challenges and resilience (pp. 141-169). Washington, DC: American Psychological Association.

Camarano, A. A., & Kanso, S. (2010). As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, 27(1), 232-235. doi: 10.1590/S0102-30982010000100014

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21, 513-518. doi:10.9788/TP2013.2-16

Campos, P. H. F., & Rouquette, M. L. (2003). Abordagem estrutural e componente afetivo das representações sociais. Psicologia: reflexão e crítica, 16(3), 435-445.

Cook-Daniels, L. (2015). Transgender aging: What practitioners should know. Em N. A. Orel & C. A. Fruhauf (Orgs.), The lives of LGBT older adults: Understanding challenges and resilience (pp. 193-216). Washington, DC: American Psychological Association.

Costa, V. (2011). Revistas gays made in Brazil, mas com sotaque estrangeiro. Revista Gênero, 12(1).

Coutinho, M., Araújo, L., & Saraiva, E. (2013). Revisitando a teria das representações sociais: uma abordagem teórica In.: R. Cruz & E. Gusmão (Orgs), Psicologia: conceitos, técnicas e pesquisas: Volume II (1ª Ed) (pp. 11-23). Curitiba: Editora CRV.

Fialho, L. M. F., Nascimento, L. B. S., & Xerez, A. S. P. (2017). O que as professoras da Educação Básica sabem sobre Gênero?. CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL, 11(27), 63-79.

Fredriksen-Goldsen, K. I., Emlet, C. A., Kim, H. J., Muraco, A., Erosheva, E. A., Goldsen, J., et al. (2013). The physical and mental health of lesbian, gay male, and bisexual (LGB) older adults: The role of key health indicators and risk and protective factors. The Gerontologist, 53, 664-675.

Fredriksen-Goldsen, K. I., Kim, H. J., Muraco, A., & Mincer, S. (2009). Chronically ill midlife and older lesbians, gay men, and bisexuals and their informal caregivers: The impact of the social context. Sexuality Research & Social Policy, 6, 52-64.

Frugoli, A., & Magalhães, C. A. O. (2011) A sexualidade na terceira idade na percepção de um grupo de idosas e indicações para a educação sexual. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, 15, 85-93.

Goldenberg, M. (2011). Corpo, envelhecimento e felicidade na cultura brasileira. Contemporânea, 9(18).

Henning, C. E. (2017). Gerontologia LGBT: velhice, gênero, sexualidade e a constituição dos “idosos LGBT”. Horizontes Antropológicos, 283-323. doi: 10.1590/s0104-71832017000100010

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. (2015). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores 2014. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE. Retirado de http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94935.pdf

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. As representações sociais, 17-44.

Leal, M. D. G. S., & Mendes, M. R. O. (2017). A Geração duplamente silenciosa-velhice e homossexualidade. Revista Portal de Divulgação, (51), 18-35.

Mantovani, E. P., Lucca, S. R. D., & Neri, A. L. (2016). Associações entre significados de velhice e bem-estar subjetivo indicado por satisfação em idosos. Rev. bras. geriatr. gerontol, 19(2), 203-222.

Marques, F. D., & Sousa, L. (2016). Portuguese Older Gay Men: Pathways to Family Integrity. Paidéia (Ribeirão Preto), 26(64), 149-159.

Mello, L., Brito, W., & Maroja, D. (2016). Políticas públicas para a população LGBT no Brasil: notas sobre alcances e possibilidades. Cadernos pagu, (39), 403-429.

Meneses, D., Júnior, F., Melo, H., Silva, J., Luz V., & Figueiredo, M. (2013). A dupla face da velhice: o olhar de idosos sobre o processo de envelhecimento. Enfermagem em Foco, 4(1) 15-18.

Moscovici, S. (2007). Representações Sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

Mota, M. P. (2012a). “Ao sair do armário encontrei a velhice”: a homossexualidade masculina e a experiência de envelhecer. Revista Praia Vermelha, Rio de Janeiro, 22(1), 133-144.

Mota, M. P. (2012b). A construção da homossexualidade no curso da vida a partir da lembrança de gays velhos. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, 6(7).

Nascimento, A. R. A., & Menandro, P. R. M. (2006). Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(2), 1-17.

Neri, A. L., Borim, F.S.A., Ribeiro, L. H. M., Rabelo, D. F., Melo, D. M., Pinto, J.M., Reis, M., Held, R. B., Pacagnella, A. B. B., Lopes, L. O. (2013) O que os idosos entendem por velhice saudável e feliz. In: A. L. Neri (Org). Fragilidade e qualidade de vida na velhice. Dados do Estudo Fibra. (Ed. 1, pp. 341- 363) Campinas: Alínea.

Oliveira, M. (2012). O conceito de representações coletivas: uma trajetória da Divisão do Trabalho às Formas Elementares. Debates do NER, 2(22), 67-94.

Orel, N. A., & Fruhauf, C. A. (2015). The lives of LGBT older adults: Understanding challenges and resilience. Washington, DC: American Psychological Association

Organização Mundial da Saúde (2015). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde. Retirado de http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf

Passamani, G. R. (2013). Velhice, homossexualidades e memória: notas de campo no Pantanal sul-matogrossense. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2013. ISSN: 2179-510x

Pereira, C. R., Torres, A. R. R., Pereira, A., & Falcão, L. C. (2011). Preconceito contra homossexuais e representações sociais da homossexualidade em seminaristas católicos e evangélicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 73-82.

Pocahy, F. (2012). A velhice como performativo: dissidências (homo) eróticas. Ex aequo, (26), 43-56.

R Development Core Team. (2011). R: A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing.

Ratinaud, P. (2009). IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires [Computer software]. Disponível em: http://www.iramuteq.org.

Reinert, M. (1990). Alceste: une methologie d’analyse dês donnees textualles et une application. Bulletin de Méthodologie Sociologique, Paris, 28, 24-54.

Rodrigues, M., & Ferro, L. F. (2012). Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicologia: ciência e profissão, 32(3), 552-563.

Santos, D. K. D., & Lago, M. C. D. S. (2013). Estilísticas e estéticas do homoerotismo na velhice: narrativas de si. Sex., saludsoc. (Rio J.), (15), 113-147.

Santos, J. V. O.; Carlos, K. P. T.; Araújo, L. F. & Negreiros, F. (2017). Compreendendo a velhice LGBT: uma revisão da literatura. In: L. F. Araújo; C. M. R. G. Carvalho. (Org.). Envelhecimento e Práticas Gerontológicas (pp. 81-96). 1ed. Curitiba-PR/Teresina-PI: Editora CRV/EDUFPI.

Silva, H. S. D., Lima, Â. M. M. D., & Galhardoni, R. (2014). Envelhecimento bem-sucedido e vulnerabilidade em saúde: aproximações e perspectivas. Interface - comunicação, saúde e educação, 8, 11-18.

Solise, V. O., & de Medeiros, M. P. (2016). Sexualidade na Velhice. Disciplinarum Scientia| Saúde, 3(1), 165-180.

Torres, T., Camargo, B., Boulsfield, A., & Silva, A. (2015). Representações sociais e crenças normativas sobre envelhecimento. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12) 3621-3630

Vera-Noriega, J., Pimentel, C., & Albuquerque, F. (2005). Redes semânticas: Aspectos teóricos, técnicos, medológicos y analíticos. Ra-Ximhai, 1, 439-455. Retirado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=46110301

Vieira, K. F. L., Miranda, R. S., & Coutinho, M. P. L. (2012). Sexualidade na Velhice: Um Estudo de Representações Sociais. Psicologia e Saber Social, 1, 120-128.

Detalles del artículo