Contenido principal del artículo

Cecília Almeida Rodrigues Lima
Marcela Costa
Soraya Maria Bernardino Barreto Januário
Gêsa Karla Maia Cavalcanti
Diego Moreira Gouveia
Talitta Oliveira Cancio dos Santos

Este artículo analiza las representaciones de género y sexualidad en la serie animada She-ra and The Princesses of Power (2018-2020). Para ello se llevó a cabo una investigación descriptiva y exploratoria con aficionados a la serie de todo el mundo. A partir de conceptos como el dispositivo pedagógico de los medios, el género, la sexualidad y la representación, además de los supuestos metodológicos del Análisis de Contenidos (Bardin, 2011), fue posible comprender el papel de la serie como instrumento pedagógico capaz de desencadenar procesos de subjetivación en su audiencia. El análisis alcanzó tres categorías de comentarios: autoconocimiento; autoafirmación; legitimación del otro. Las narrativas audiovisuales pueden legitimar, reiterar y naturalizar comportamientos, prácticas e identidades, en la mayoría de los casos, invisibilizando a las minorías. She-Ra propone representaciones de género y sexualidad que subvierten lógicas heteronormativas y, para los seguidores, esto es lo que hace que la serie sea tan importante, contribuyendo a la comprensión y legitimación de quiénes son, además de enseñar nuevas pedagogías, frente al discurso hegemónico aún difundido por los medios. 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.
Almeida Rodrigues Lima, C., Costa, M., Bernardino Barreto Januário, S. M., Maia Cavalcanti, G. K., Moreira Gouveia, D., & Oliveira Cancio dos Santos, T. (2022). Dispositivo pedagógico de los medios y representaciones de género y sexualidad en She-ra and the Princesses of Power. Anuario Electrónico De Estudios En Comunicación Social "Disertaciones", 15(1). https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/disertaciones/a.10119

Cecília Almeida Rodrigues Lima, a:1:{s:5:"es_ES";s:34:"Universidade Federal de Pernambuco";}

Docente do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco. Vice-Coordenadora do Obitel-UFPE. Integrante do Observatório de Mídia - Obmídia - UFPE. Doutora e Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Pernambuco. Jornalista.

Marcela Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Docente e coordenadora do curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda da UFRN. Coordenadora do Observatório de tendências em publicidade - OBTEP. Membro do Obitel-UFPE.

Soraya Maria Bernardino Barreto Januário, Universidade Federal de Pernambuco

Professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Pós-doutorado no Institute for Gender, Sexuality and Feminist Studies (IGSF), Montreal Canadá (2019-2020). Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa (2013). Mestra em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa (2009). Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da UFPE.

Gêsa Karla Maia Cavalcanti, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. Integrante do Obitel-UFPE.

Diego Moreira Gouveia, Universidade Federal de Pernambuco

Professor Adjunto do Núcleo de Design e Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco - Campus Agreste. Doutor e Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Pernambuco. Integrante do Obitel-UFPE.

Talitta Oliveira Cancio dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Estudante de Graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Argos.

Baczko, B. (1985). Imaginação social. Em Leach, E. et Alii (Org.), Enciclopédia Einaudi. Antropos-Homem (pp. 296-332). Imprensa Nacional; Casa da Moeda.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.). Civilização Brasileira.

Cavalcanti, G., & Ferreira, V. (2020). Visibilidade gay em malhação vidas brasileiras: dispositivo pedagógico da diferença e recepção da trama. Anais Intercom.

De Carvalho, A. F., & De Oliveira Gallo, S. D. (2017). Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo. etd-Educação Temática Digital, 19(4), 622-641. http://orcid.org/0000-0003-4510-9440

Deleuze, G., Dreyfus, H. L., Frank, M., Glucksmann, A., Miller, J. A., & Rorty, R. (1999). Michel Foucault, filósofo. Gedisa Editorial.

Dhaenens, F. (2011). Gay representation, queer resistance, and the small screen: A reception study of gay representations among Flemish fans of contemporary television fiction. cims/Centre for Cinema and Media Studies. Working Papers Film & tv Studies.

Fischer, R. M. B. (2002). O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) tv. Educação e pesquisa, 28(1), 151-162. https://doi.org/10.1590/S1517-97022002000100011

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Graal.

Foucault, M. (1995). Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. Em R. Dreyfus (Ed.), Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 231-249). Forense Universitária.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade. (E. Brandão, Trad.). Martins Fontes.

Foucault, M. (2004). Ética, sexualidade, política. Em M.B. Motta (Org.), Ética, sexualidade, política (pp. 144-162). Forense Universitária.

Foucault, M. (2009). História da Sexualidade I: a vontade de saber (19ª ed.). Graal.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade.

Hall, S. (2016). Cultura e Representação. Ed. puc-Rio.

Jenkins, H., & Campbell, J. (2006). Out of the closet and into the universe: Queers and Star Trek. Em H. Jenkins (Ed.), Fans, Bloggers and Gamers: Exploring Participatory Culture (pp. 237-265). New York University Press Books.

Kellner, D. (2001). A cultura da mídia: estudos culturais, identidade, política entre o moderno e o pós-moderno (1ª ed.). edusc.

Lauretis, T. (1994). A tecnologia do gênero. Em H. Hollanda (Org.), Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura (pp. 206-242). Rocco.

Lima, C., & Cavalcanti, G. (2018). Limanthamerepresenta: cultura de fãs e representatividade lésbica na telenovela Malhação. Em C. Barros & F. Carrera (Ed.), Mídia e Diversidade. Caminhos para reflexão e resistência (pp. 317-342). Xeroca!

Rae, I. (2015). The Misadventures of Awkward Black Girl. Atria.

Rich, A. (1980). Compulsory heterosexuality. Signs, 5(4), 631-660. https://www.journals.uchicago.edu/doi/abs/10.1086/493756

Schérer, R. (2006). Émile perverti ou Des rapports entre l’éducation et la sexualité. Désordres-Laurence Viallet.

Schwade, E. (2010). Heterossexualidade compulsória e continuum lesbiano: diálogos. Bagoas, 5, 17-31. https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2311

Silva, T. T. (2012). A produção social da identidade e da diferença. Em T. T Silva, S. Hall & K. Woodward (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais (pp. 73-102). Vozes.

Sodré, M. (2002). Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Vozes.

Detalles del artículo