Contenido principal del artículo

Liana Cristina Dalla Vecchia Pereira
Luciana Rodríguez Barone
Simone Mainieri Paulon

El presente estudio tiene como objetivo acompañar el proceso de apoyo matricial en salud mental de un equipo de salud familiar en la ciudad de Porto Alegre, con el propósito de analizar y producir conocimiento sobre este medio de atención. El Ministerio de Salud de Brasil señala el apoyo matricial como una estrategia para cambiar las formas de gestión y cuidado de la salud, constituyendo una potente estrategia para la articulación de las acciones de salud mental en la atención primaria. La investigación utilizó el método cartográfico con tres rondas de conversación y seguimiento de reuniones entre el equipo de apoyo y el equipo de salud familiar durante ocho meses. Se analizaron los materiales registrados en los diarios de campo, las actas de reuniones del equipo y los informes de las discusiones de casos. El soporte matricial mostró que es una importante estrategia de intervención en los procesos de trabajo, construida sobre la singularidad de las reuniones y las discontinuidades del proceso. En algunos periodos, hubo un mayor interés de los equipos en los espacios de discusión y gestión del cuidado, con destaque del hacer juntos a través de la realización de interconsultas y visitas en la red intersectorial. En otras ocasiones, permeado por fragilidad institucional, este dispositivo fue importante para apoyar a los trabajadores. Por último, en esta experiencia, el soporte matricial permitió ampliar la visión y las acciones de la salud mental en la atención primaria mediante la producción de conocimientos y prácticas en acción.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.
Dalla Vecchia Pereira, L. C., Rodríguez Barone, L., & Mainieri Paulon, S. (2021). Apoyo matricial en salud mental en la atención primaria de salud: construcciones procesuales. Avances En Psicología Latinoamericana , 39(1). https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.7429

Liana Cristina Dalla Vecchia Pereira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH) da Universidade Federal de Santa Catarina. Psicóloga, especialista em saúde da família e comunidade (residência integrada em saúde - Grupo Hospitalar Conceição) e em saúde mental coletiva (Universidade Rovira i Virgili). Mestre em saúde pública pelo programa Erasmus Mundus (Europubhealth) pela Universidade de Copenhagen e Universidade de Granada.

Luciana Rodríguez Barone, Grupo Hospitalar Conceição

Psicóloga do Serviço de Saúde Comunitária Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Doutora e Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Simone Mainieri Paulon, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora adjunta e Pesquisadora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul na graduação em psicologia e na pós-graduação em psicologia social e institucional da mesma instituição. Doutora em psicologia clínica pela PUCSP e mestre em educação pela UFRGS

Alvarez, A. P. E., Vieira, Á. C. D., & Almeida, F. A. (2019). Núcleo de Apoio à Saúde da Família e os desafios para a saúde mental na atenção básica. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 29(4), 1-17. https://doi.org/10.1590/s0103-73312019290405

Brasil. (2008). Portaria GM N. o 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html

Campos, G. W. S. (1998). O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cadernos de Saúde Pública, 14(4), 863-870. http://www.scielo.br/pdf/csp/ v14n4/0080.pdf

Campos, G. W. S. (1999). Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 4(2), 393-403. http://www. scielo.br/pdf/csc/v4n2/7121.pdf

Campos, G. W. S. (2003). Saúde Paidéia. Hucitec. Campos, G. W. S., & Domitti, A. C. (2007). Apoio Matricial e Equipe de Referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(2), 399-407. http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n2/16.pdf

Chazan, L. F., Fortes, S., Camargo Jr., K. R., & Freitas, G. C. (2019). O apoio matricial na Atenção Primária em Saúde no município do Rio de Janeiro: uma percepção dos matriciadores com foco na Saúde Mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 29(2), 1-20. https://doi.org/10.1590/ s0103-73312019290212

Chiaverini, D. H. (2011). Guia Prático de Matriciamento em Saúde Mental. Ministério da Saúde; Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ guia_pratico_matriciamento_saudemental

Cunha, G. T., & Campos, G. W. S. (2011). Apoio Matricial e Atenção Primária em Saúde. Saúde e Sociedade, 20(4), 961-970. http://www.scielo. br/pdf/sausoc/v20n4/13.pdf

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (vol. 1). Editora 34.

Dimenstein, M., Santos, Y. F., Brito, M., Severo, A. K., & Morais, C. (2005). Demanda em saúde mental em unidades de saúde da família. Mental, 3(5), 23-41. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/

mental/v3n5/v3n5a03.pdf

Faria, P. F. O., Ferigato, S. H., & Lussi, I. A. O. (2020). O apoio matricial na rede de atenção às pessoas com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 28(3), 931-949. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1987

Figueiredo, M. D., & Onocko Campos, R. (2009). Saúde mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciência & Saúde Coletiva, 14, 129-138. http:// www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a18v14n1.pdf

Iglesias, A., & Avellar, L. Z. (2019). Matriciamento em Saúde Mental: práticas e concepções trazidas por equipes de referência, matriciadores e gestores. Ciência & Saúde Coletiva, 24(4), 1247-1254. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.05362017

Kastrup, V. (2007). O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia e Sociedade, 19(1), 15-22. http://www.scielo.br/pdf/psoc/ v19n1/a03v19n1.pdf

Lima, M. C., & Gonçalves, T. R. (2020). Apoio Matricial como Estratégia de Ordenação do Cuidado em Saúde Mental. Trabalho, Educação e Saúde, 18(1), 1-21. https://doi.org/10.1590/1981-7746- sol00232

Medeiros, C. R. G., Freitag, A. L., Martines, L. S. E., Saldanha, O. M. F. L., Grave, M. Q., Jager, L. K., & Dhein, G. (2020). O Apoio Matricial na qualificação da Atenção Primária à Saúde às pessoas com doenças crônicas. Saúde em Debate, 44(125), 478-490. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012515

Ministério da Saúde. (2008). Humanizasus: Documento base para gestores e trabalhadores do sus. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2011). 11a Conferência Nacional de Saúde: efetivando. Ministério da Saúde. http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/11_cns.pdf

Ministério da Saúde. (2011). Portaria MS/GM N. o 2.488 de 21 de outubro de 2011. Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde.http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Oliveira, G. N. (2011). Devir apoiador: uma cartografia da função apoio (tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil. http://repositorio.unicamp.br/jspui/ handle/REPOSIP/309702

Pasche, D. F., & Passos, E. (2010). Inclusão como método de apoio para a produção de mudanças na saúde – aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate, 34(86), 423-432. http:// www.redalyc.org/pdf/4063/406341769003.pdf

Passos, E., & Benevides, R. B. (2009a). A carto- grafia como método de pesquisa-intervenção. In E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Eds.), Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 17-31). Sulina.

Passos, E., & Benevides, R. B. (2009b). Por uma política da narratividade. In E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Eds.), Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 150-171). Sulina.

Porto Alegre. (2011). Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA). Portaria SMS n.o 536, de 07/06/2011. Designa servidores para constituir Grupo Especial de Trabalho - Comissão de Implantação da Diretriz de Apoio Matricial na Atenção Primária. http:// www2.portoalegre.rs.gov.br/dopa/ver_conteudo. php?protocolo=17594

Rolnik, S. (2011). Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. UFRGS.

Silveira, E. R. (2011). Práticas pedagógicas na saúde: o apoio matricial e a interconsulta integrando a saúde mental à saúde púbica (dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/28798

Spinoza, B. B. (2008) Ética. Autêntica Editora. Treichel, C. A. S., Campos, R. T. O., & Campos, G.

W. S. (2019). Impasses e desafios para consolidação e efetividade do apoio matricial em saúde mental no Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 23, 1-18. https://doi. org/10.1590/interface.180617

World Health Organization, Who. (1994). Primary Health Care. Implementation of the Global Strategy of Health for all by the Year 2000. Who Office for Europe.

Detalles del artículo