Contenido principal del artículo

Margarida Maria Krohling Kunsch
Maria Cristina Gobbi
Este artículo se trata de la configuración del campo académico de la Comunicación en Brasil. Éste parte de una breve descripción del sistema de funcionamiento y traza una visión panorámica de caracterización y constitución de los cursos de pregrado y de sus sub-áreas. Aborda la investigación científica, su evolución, los grupos, centros o núcleos de investigación existentes y señala la importancia fundamental de los cursos de posgrado para su consolidación. Presenta un cuadro situacional de la composición de los programas de posgrado stricto sensu en todo el territorio nacional, el sistema de evaluación vigente, su contribución geográfica, sus áreas de concentración y líneas de investigación. Destaca el relevante papel de las asociaciones académicas y científicas de las diversas áreas de la Comunicación en la articulación y en el desarrollo del campo de las Ciencias de la Comunicación en el País. Registra todavía la participación efectiva del liderazgo de muchas de esas entidades en la constitución de asociaciones iberoamericanas de Comunicación. Con base en fuentes bibliográficas y documentales, se trata de un estudio cuantitativo descriptivo y cualitativo en su análisis reflexivo. Los datos obtenidos expresan el alcance de ese campo organizacional, su gran diversidad y su concentración de los centros de estudios en las regiones sureste y sur del país.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Margarida Maria Krohling Kunsch, Universidade Estadual Paulita Julio de Mesquita Filho (UNESP)

Pesquisadora. Professora Livre-docente em História da Comunicação e da Cultura na América Latina da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (Unesp), Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina (Prolam-USP). Doutora em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Vice-coordenadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia da Unesp de Bauru, SP, e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição. Pesquisadora e coordenadora do Grupo de Pesquisa Pensamento Comunicacional Latino-Americano, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações Acadêmicas e Científicas  de Comunicação (Socicom).

Maria Cristina Gobbi, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita"

Pesquisadora. Professora Livre-docente em História da Comunicação e da Cultura na América Latina da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (Unesp), Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina (Prolam-USP). Doutora em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Vice-coordenadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia da Unesp de Bauru, SP, e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição. Pesquisadora e coordenadora do Grupo de Pesquisa Pensamento Comunicacional Latino-Americano, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações Acadêmicas e Científicas  de Comunicação (Socicom).

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação.(1965). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_

/decreto-lei/1965-1988/Del0464.htm>. Acesso em nov. 2015.

BORDIEU, P. (1983). O campo científico. In: Bourdieu, P., Sociologia (121-155). São Paulo: Ática.

CAPES. (01 de out de 2015). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em:

<http://www.capes.gov.br/avaliacao>. Acesso em nov. 2015.

CASTELLS, M. (2009). Comunicación y poder. Madrid: Alianza Editorial.

GODOY, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. RAE - Revista de Administração de Empresas,

v. 35, nº 3, mai/jun.

KUNSCH, M. M. K. (1992). Universidade e comunicação na edificação da sociedade. São Paulo: Loyola.

KUNSCH, M. M. K. (org.). (2009). Relações públicas e comunicação organizacional: campos acadêmicos e aplicados

de múltiplas perspectivas. São Caetano do Sul, SP: Difusão.

KUNSCH, M.M.K. e MARQUES DE MELO, J. (org.). (2012). Comunicação ibero-americana: sistema midiáticos,

diversidade cultural, pesquisa e pós-graduação. São Paulo: Confibercom, ECA-USP, Socicom.

LOPES, M. I. V. de. O campo da comunicação: institucionalização e transdiciplinação. (2000). In Lopes, M.

I. V. de, Frau-Meigs, D. y Santos, M. S. T. (org.). Comunicação e informação: identidades e fronteiras (41-56).

Recife, PE: Bagaço; São Paulo: Intercom.

LOPES, M. I. V. (2008). A pós-graduação em comunicaçaõ na USP: pioneirismo e contribuições na construção

do campo no Brasil. Revista Latinoamericana de Ciencias de la comunicación, São Paulo, Alaic, a. V, n.

-9, p.194-202, jan.-dez. 2008.

LOPES, M. I. V e ROMANCINI, R. A pós-graduação em Comunicação no Brasil.In: Kunsch, M.M.K. e Marques

de Melo, J. (org.). (2012). Comunicação ibero-americana: sistema midiáticos, diversidade cultural, pesquisa

e pós-graduação (189-209). São Paulo: Confibercom, ECA-USP, Socicom.

MARQUES DE MELO, J. (1983). Pesquisa em comunicação no Brasil: tendências e perspectivas. São Paulo:

Cortez/Intercom.

MARQUES DE MELO, J. (1998). Teoria da comunicação: paradigmas latino-americanos. Petrópolis: Vozes.

MARQUES DE MELO, J. (2003). História do pensamento comunicacional: cenários e personagens. São Paulo:

Paulus.

MARQUES DE MELO, J. (2014). Teoria e metodologia da comunicação: tendências do século XXI. São Paulo:

Paulus.

MEDITSCH, E. (2012). Pedagogia e pesquisa para o jornalismo que está por vir: a função social da universidade

e os obstáculos para a sua realização. Florianópolis: Insular.

MOURA, C. P. (2002). O curso de comunicação social no Brasil: do currículo mínimo às novas diretrizes curriculares.

Porto Alegre: Edipucrs.

Detalles del artículo