DOI: http://dx.doi.org/10.12804/revsalud13.especial.2015.04

Las investigaciones fisiológicas sobre la sangre y las interpretaciones de Brasil en la primera mitad del siglo xx

Descargar Artículo
Juliana Manzoni Cavalcanti

Resumen


Objetivo: Aclarar como las investigaciones sobre la fisiología de la sangre en Brasil contribuyeron intensamente en las discusiones sobre la formación histórica y cultural de la sociedad brasilera. Desarrollo: partiendo de la historiografía brasilera y del examen de trabajos científicos desarrollados por Walter Oswaldo Cruz y en la Sección de Hematología del Instituto Oswaldo Cruz, se analizan las caras sociales contenidas en los enunciados científicos sobre la sangre en artículos sobre las causas de dichas anemias tropicales, la distribución racial de los grupos sanguíneos y la cuantificación de la hemoglobina. Conclusiones: al contrario de la historiografía que limita la historia de la fisiología a ciertos personajes, instituciones y hechos, las historias alternativas de la fisiología ofrecen un escenario rico, en el cual observamos la producción de conocimientos sobre las funciones orgánicas más allá de las ciencias naturales.

Palabras clave


Historia, salud, sangre, fisiología, Brasil

Texto completo:

PDF

Estadísticas de Uso:

Descargas
Año20152016
Total89236



Referencias


Rodrigues A. Limpos de Sangue. Familiares do Santo Ofício, Inquisição e Sociedade em Minas Colonial. São Paulo: Alameda; 2011.

Ramos J. Brasil sob o Paradigma Racial: Sociologia Histórica de uma Representação. Em: Pena S, orga-nizador. Homo brasilis: aspectos genéticos, linguísticos, históricos e socioantropológicos da formação do povo brasileiro. Ribeirão Preto: Funpec-RP; 2002. p. 131-148.

Olby R. The Emergence of Genetics. Em: Olby R, Cantor G, Christie J, Hodge M, editores. Companion to the History of Modern Science. Londres/Nova Iorque: Routledge; 1990. p. 521-536.

Schwarcz L. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras; 2002.

Pohl-Valero S. “La raza entra por la boca”: Energy, Diet and Eugenics in Colombia, 1890-1940. Hisp Am Historical Review 2014; 94 (3): 455-86.

Lima N. Public Health and Social Ideas in Modern Brazil. Am J Public Health 2007; 97 (7): 1168-77.

Ramos J. Dos males que vem com o sangue: as representações raciais e a categoria do imigrante indese-jável nas concepções sobre imigração da década de 1920. Em: Maio M, Santos R, editores. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1996. p. 59-82.

Seyferth G. Construindo a Nação: hierarquias raciais e o papel do racismo na política de imigração e colonização. Em: Maio M, Santos R, editores. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1996. p. 41-58.

Carrara S. Estratégias anticoloniais: sífilis, raça e identidade nacional no Brasil de entreguerras. Em: Hochman G, Armus D, organizadores. Controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2004. p. 427-53.

Kremer R. Physiology. Em: Bowler P, Pickstone J, editores. The Cambridge History of Science, v. 6: The Modern Biological and Earth Sciences. Cambridge: Cambridge University Press; 2009. p. 342-66.

Canguilhem G. La constituición de la fisiologia como ciencia. Em: Estudios de historia y de filosofía de las ciencias. Buenos Aires: Amorrortu Editores; 2009. p. 182-223.

Marks J. The Legacy of Serological Studies in American Physical Anthropology. Hist Philos Life Sci 1996; 18: 345-62.

Mazumdar P. Blood and Soil: The Serology of the Aryan Racial State. Bull Hist Med 1990; 64: 187-219.

Mazumdar P. Two Models for Human Genetics: Blood Grouping and Psychiatry in Germany between the World Wars. Bull Hist Med 1996; 70: 609-57.

Bachhiesl C. Blutspuren. Zur Bedeutung des Blutes in der Kriminalwissenschaft um 1900. Ber Wiss 2010; 33 (1): 7-29.

Dreyfus A. Raças e grupos sanguíneos. Rev Bras Med 1947; 4 (10): 775-7.

Gomes A. Uma ciência moderna e imperial: a fisiologia brasileira no final do século XIX (1880-1889). Belo Horizonte: Fino Traço; 2013.

Benchimol J. A instituição da microbiologia e a história da saúde pública no Brasil. Ciênc saúde coletiva 2000; 5 (2): 265-92.

Schweickardt J, Lima N. Do “inferno florido” à esperança do saneamento: ciência, natureza e saúde no estado do Amazonas durante a Primeira República (1890-1930). Bol Mus Para Emilio Goeldi 2010; 5 (2): 399-415.

Benchimol J, Silva A. Ferrovias, doenças e medicina tropical no Brasil da Primeira República. Hist cienc saúde-Manguinhos 2008; 15 (3): 719-62.

Cruz W. The Effect on the Susceptibility of the Erythrocyte to Hypotonic Salt Solutions. Radioactive Iron as a Means of Tagging the Red Blood Cell. Am J Med Sci 1941; 202 (2): 157-162.

Cruz W. Acetylphenylhydrazine Anemia. I. The Mechanism of Erythrocyte Destruction and Regene-ration. Am J Med Sci 1941; 202 (6): 781-98.

Cruz W, Mello R, Silva E. Estudos sôbre a anemia produzida em cäes por benzoato de estradiol. Mem Inst Oswaldo Cruz 1944; 41 (1): 167-77.

Cruz W, Mello R, Silva E. Manifestações purpúricas na pele de cães anemiados com Benzoato de Es-tradiol. Rev Bras Biol 1945; 5 (1): 139-43.

Cruz W, Mello R. Eliminação urinaria do cloreto de sódio na anemia ancilostomotica. Mem Inst Oswaldo Cruz 1944; 41 (2): 223-31.

Cruz W, Mello R. Profilaxia da anemia ancilostomótica: sindrome de carencia. Mem Inst Oswaldo Cruz 1945; 42 (2): 401-48.

Cruz W, Mello R. Contribuição ao estudo da eliptocitose. Mem Inst Oswaldo Cruz 1940; 35 (1): 125-35.

Silva E. Hemátias em alvo (“target-corpuscules”, “target-cells”) em cães com anemia crônica conse-quente a “babesia (piroplasma) canis” (Piana 7 Galli Valério, 1895). Rev Bras Biol 1944; 4 (4): 587-91.

Silva E. Estudos sôbre índice de siclemia. Mem Inst Oswaldo Cruz 1945; 42 (2): 315-40.

Cruz W, Mello R, Silva E. Hemoglobinometria do homem normal. Rev Bras Biol 1945; 2 (9): 730-34.

Sarasin P, Tanner J. Physiologie und industrielle Gesellschaft. Bemerkungen zum Konzept und zu Beiträgen dieses Sammelbandes. Em: Sarasin P, Tanner J, editores. Physiologie und industrielle Ge-sellschaft: Studien zur Verwissenschatlichung des Körpers im 19 und 20. Jahrhundert. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag; 1998. p. 12-43.

Edler F. Opilação, hipoemia ou ancilostomíase? A sociologia de uma descoberta científica. Varia Hist 2004; 32: 48-74.

Ferreira L. Os periódicos médicos e a invenção de uma agenda sanitária para o Brasil (1827-1843). Hist cienc saúde-Manguinhos 1999; 6 (2): 331-51.

Edler F. A Medicina no Brasil Imperial: clima, parasitas e patologia tropical. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011.

Edler F. Medicina tropical: uma ciência entre a nação e o império. Em: Heizer A, Videira, A. Ciência, Civilização e República nos trópicos. Rio de Janeiro: Mauad X/Faperj; 2010. p. 339-56.

Benchimol J. Manguinhos do sonho à vida —A Ciência na Belle Époque. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz; 1990.

Dias, E. Molestia de Carlos Chagas. Estudos hematológicos. Mem Inst Oswaldo Cruz 1912; 4 (1): 34-62.

Dias E. Hematologia normal no Rio de Janeiro [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Faculdade de Me-dicina do Rio de Janeiro; 1903.

Chagas C. Estudos hematologicos no impaludismo. Rio de Janeiro: Typographia da Papelaria da União; 1903.

Kropf S. Doença de Chagas, doença do Brasil: ciência, saúde e nação, 1909-1962. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2009

Santos L. O pensamento sanitarista na Primeira República: uma ideologia de construção da nacionali-dade. Dados rev ciênc sociais 1985; 28 (2): 193-210.

Lima N, Hochman G. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil redescoberto pelo movi-mento sanitarista da Primeira República. Em: Maio M, Santos R, editores. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1996. p. 23-40.

Hochman G. A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo, Hucitec/ Anpocs; 1998.

Penna B. Anemia Brasileira —Climas e Raças, Optimismos e Pessimismos. Conferência realizada pelo titular em Barbacena a convite da Associação de Comércio, Indústria e Lavoura e do presidente do referido município. Fundo Belisário Penna/Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz/BR RJCOC BP-04-01-143; 1928.

Silva A. Raça, medicina tropical e colonialismo no Terceiro Reich: a expedição de Giemsa e Nauck ao Espírito Santo em 1936. Estud hist 2013; 26 (52): 347-68.

Karsten A. A zona tropical: fator de anemia, raquitismo e perturbações afins nos europeus. Bras Med 1937; 51: 1252-3.

Lent H. Walter Oswaldo Cruz. Sucesso e fracasso de um cientista. Em: Sessão de homenagem realizada em 11 de abril de 1967 na Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro; 1967.

Cruz W. Hipótese sobre a patogenia da ancilostomose. Bras Med 1932; 46: 593-7.

Chagas C. Comunicação Conceito patogenico da anemia na ancilostomose —Novas diretrizes na tera-pêutica e no método profilático desta helmintose. Bol Acad Nac Med 1933; 23: 623-32.

Chagas Filho C. Carlos Chagas Filho (depoimento, 1987). Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz; 1991.

Clark O. Comentários a comunicação “Conceito patogenico da anemia na ancilostomose —Novas di-retrizes na terapêutica e no método profilático desta helmintose”. Bol Acad Nac Med 1933; 23: 633-8.

Cruz W. Patogenia da anemia na Ancylostomose. Esclarecimentos necessários, após opiniões emitidas pelo Professor Oscar Clark na Academia Nacional de Medicina. Bras Med 1933; 47 (35): 631.

Clark O. Renascença da Hematologia. Folha Med 1933; 14: 385-8.

Clark O. O tratamento das anemias por carência. Folha Med 1933; 14: 474-7.

Cruz W. Da medulla ossea na ancylostomose. Mem Inst Oswaldo Cruz 1933; 27 (4): 423-53.

Cruz W. Metaplasia mieloide do baco na Ancilostomose. Mem Inst Oswaldo Cruz 1934; 28 (2): 287-98.

Cruz W. Pathogenia da anemia na Ancylostomose. II. Causas determinantesa dos phenomenos rege-nerativos e degenerativos nessa anemia e contribuicoes para elucidar o seu mechanismo intimo. Mem Inst Oswaldo Cruz 1934; 29 (2): 263-426.

Cruz W. Pathogenia da anemia na Ancylostomose. III. Modificacoes hematicas e organicas, provocadas pelas simples eliminacão do Ancylostomo e do Necator, em individuos fortemente anemiados. Mem Inst Oswaldo Cruz 1934; 29 (2): 487-540.

Póvoa H. Patogenia da Anemia Ancilostomótica. Conceito Moderno. Em: Autor, Hematologia: Temas Modernos. Rio de Janeiro: Editora Guanabara; 1934.

Gomes A. Ideologia e trabalho no Estado novo. Em: Pandolfi D, organizadora. Repensando o Estado novo. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas; 1999.

Fonseca C. Oliveira. Modelando a “cera virgem”. A saúde da criança na política social de Vargas [dis-sertação de mestrado]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 1990.

Sanglard G. Entre os Salões e o Laboratório: Guilherme Guinle, a Saúde e a Ciência no Rio de Janeiro, 1920-1940. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008.

Cruz W. Hemoglobinometria e nível de vida das populações. I. Região do nordeste (Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco). Mem Inst Oswaldo Cruz 1939; 34 (2): 261-82.

Cruz W, Martins da Silva E, Pimenta de Mello R. Dados hematológicos do cão adulto normal. Mem Inst Oswaldo Cruz 1945; 42 (3): 609-28.

Cruz W, Martins da Silva E, Pimenta de Mello R. Semelhança entre os mecanismos de formação da ane¬mia por soro anti-plaqueta e por benzoato de estradiol. Mem Inst Oswaldo Cruz 1945; 42 (2): 297-311.

Cruz W, Pimenta de Mello R, Martins da Silva E. Valores comparativos entre os métodos de perfusão e coloração do plasma na determinação do volume sanguíneo de cães anêmicos. Rev Bras Biol 1945; 5 (1): 139-43.

Cruz W, Mello R, Silva E. Hemoglobinometria dos operários e técnicos da Fábrica Nacional de Motores. Mem Inst Oswaldo Cruz 1947; 45 (1): 273-9.

Mello R. Hemoglobinometria no sul do estado de Minas Gerais (Caxambu). Mem Inst Oswaldo Cruz 1947; 45 (4): 877-80.

Cavalcanti J. Doença, Sangue e raça: o caso da anemia falciforme no Brasil, 1933-1949 [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz; 2007.

Martins N. Transfusão de sangue. Bras Med 1933; 42 (51): 907-12.

Rosenfeld G. Algumas considerações sobre terapêutica de anemias na infância. Rev Paul Med 1945; 26 (2): 120-6.

Vasconcelos F. Fome, eugenia e constituição do campo da nutrição em Pernambuco: uma análise de Gilberto Freyre, Josué de Castro e Nelson Chaves. Hist cienc saúde-Manguinhos 2001; 8 (2): 315-39.

Castro J. Geografia da Fome. O Dilema Brasileiro: Pão ou Aço. 15 ed. Rio de Janeiro: Civilização Bra¬sileira; 2002.

Gomes A. A Invenção do Trabalhismo. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas; 1994.

Hirszfeld L, Hirszfeld H. Essai d´application des methods sérologiques au probléme des races. Antro-phologie 1919; 29: 505-37.

Faria L. Pesquisas de Antropologia Física no Brasil. Bol Mus Nac 1952; 13: 1-106.

Stepan N. A hora da Eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005.

Santos R. Mestiçagem, Degeneração e a viabilidade de uma Nação: debates em Antropologia Física no Brasil (1870-1930). Em: Pena S, organizador. Homo brasilis: aspectos genéticos, linguísticos, históricos e socioantropológicos da formação do povo brasileiro. Ribeirão Preto: Funpec-RP; 2002. p. 113-29.

Leonídio R, Berardinelli W, Roiter M. Grupos sanguíneos dos índios Guaranys. Hosp 1934; 4 (12): 1129-34.

Favero F. Contribuição do Instituto Oscar Freire para o estudo dos tipos sangüíneos. Folha Med 1935; 16: 465-8.

Silva E. Absence of Sickling Phenomenon of the Red Blood Corpuscle among Brazilian Indians. Science 1948; 107: 221-2.

Silva E. Verificações sôbre a incidência de siclemia em índios brasileiros. Mem Inst Oswaldo Cruz 1948; 46 (1): 125-34.

Silva E. Blood groups of whites, negroes and mulattoes from the state of Maranhão, Brazil. Am J Phys Anthropol 1948; 6 (4): 423-9.

Silva E. Grupos sanguíneos comuns e fatores M e N em índios Canela (Ramkokamekra) do Maranhão. Rev Mus Paul 1948; 2: 271-5

Silva E. Blood groups of Indians, Whites and White-Indian Mixture in Southern Mato Grosso, Brazil. Am J Phys Anthropol 1949; 7 (4): 575-85.

Silva E. Verificações sôbre a incidência de siclemia em índios brasileiros. Mem Inst Oswaldo Cruz 1948; 46 (1): 125-34.

Silva E, Salazar P, Mello R, Cruz W. Distribuição de grupos sanguíneos comuns (O, A, B, AB) e inci-dência do fator Rh e siclemia na cidade de Duque de Caxias (Estado do Rio). Hosp 1948; 34 (5): 43-51.

Cavalcanti J, Maio M. Entre negros e miscigenados: a anemia e o traço falciforme no Brasil nas décadas de 1930 e 1940. Hist cienc saúde-Manguinhos 2011; 18 (2): 377-406.

Ottensooser F. Cálculo do grau de mistura racial através dos grupos sanguíneos. Rev Bras Biol 1944; 4 (4): 531-7.

Leon N. Fritz Ottensooser (1891-1974). Ciênc Cult 1975; 27 (7): 781-2.

Biocca E, Ottensooser F. Estudos etno-biológicos sobre os índios da região do Alto Rio Negro-Amazonas. I Grupos sanguíneos comuns e fatores M e N. Arq Biol 1944; 28 (263): 111-8.

Wailoo K. Drawing Blood: Technology and Disease Identity in Twenty Century America. Baltimore: The Johns Hopkins University Press; 1997.

Anais do I Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia. Arq Clínica 1950; 12 (3): 1-2.