DOI: http://dx.doi.org/10.12804/apl34.3.2016.02

Desenvolvimento da linguagem na primeira infância e estilos linguísticos dos educadores

Descargar Artículo
Keilla Rebeka Simões de Oliveira, Fabíola de Sousa Braz Aquino, Nádia Maria Ribeiro Salomão

Resumen


O estudo buscou conhecer como se apresenta a linguagem de crianças de um a três anos de idade em situações de brinquedo no contexto de creche e caracterizar os estilos linguísticos dos educadores na interação com essas crianças. Participaram do estudo nove crianças na faixa etária de um a três anos e suas respectivas educadoras. Os dados foram coletados através de nove observações videogravadas das interações entre as crianças e entre as crianças e os educadores. As observações tiveram duração de 20 minutos, dos quais foram retirados 10 minutos para transcrição dos episódios. Para análise dos dados foram definidas categorias acerca da fala das crianças e das educadoras. Encontrou-se que as crianças de um ano se comunicaram basicamente por meio de gestos, enquanto nas outras idades predominou a interação através da linguagem oral. Os estilos linguísticos dos educadores variaram em função da idade da criança, e a presença do educador foi pouco observada nas interações.


Palabras clave


desarrollo del lenguaje; educación de los niños; interacción social.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Estadísticas de Uso:

Descargas
Año20152016
Total271354



Referencias


Akhtar, N., Dunham, F., & Dunham, P. J. (1991). Directive interactions and early vocabulary development: The role of joint attentional focus. Journal of child language, 18(1), p.41-49.

Aquino, F. de S. B., & Salomão, N. M. R. (2005). Estilos diretivos maternos apresentados a meninos e meninas. Estudos de Psicologia, 10(2), p.223-230.

Aquino, F. de S. B., & Salomão, N. M. R. (2011). Intencionalidade comunicativa e atenção conjunta: uma análise em contextos interativos mãe-bebê. Rev. Psicologia: reflexão e crítica, p.107-115.

Baquero, R. (2009). Desarrollo psicológico y escolarización en los enfoques socioculturales: nuevos sentidos de un viejo problema. Avances en Psicología Latinoamericana. Bogotá (Colombia), 27(2), p.263-280.

Bates, E., Camaioni, L., & Volterra, V. (1975). The acquisition of performatives prior to speech. Merrill-Palmer Quarterly of Behavior and Development, 21(3), p.205-226.

Borges, L. C., & Salomão, N. M. R. S. (2003). Aquisição da Linguagem: Considerações da Perspectiva da Interação Social. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), p.327-336.

Bulotsky-shearer, R. J., Bell, E. R., Romero, S. L., & Carter, T. M. (2012). Preschool interactive peer play mediates problem behavior and learning for low-income children. Journal of Applied Developmental Psychology, 33, p.53–65.

Camaioni, L. (1997). The emergence of intentional communication in ontogeny, phylogeny, and pathology. European Psychologist, 2 (3), p.216-225.

Ely, R., & Gleason, J. B. (1995). Socialization across contexts. The handbook of child language, p.251-270.

Freitas, M. T. A. (2002). A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de pesquisa, 116, p.21-39.

Guidetti, M., & Nicoladis, E. (2008). Introduction to special issue: Gestures and communicative development. First Language, 28(2), p.107-115.

Hoff, E. (2006). How social contexts support and shape language development. Developmental Review, 26(1), p. 55-88.

Huttenlocher, J., Vasilyeva, M., Cymerman, E., & Levine, S. (2001). Language input and child syntax. Cognitive psychology, 45(3), p.337-374.

Huttenlocher, J., Vasilyeva, M., Waterfall, H. R., Vevea, J. L., & Hedges, L. V. (2007). The varieties of speech to young children. Developmental psychology, 43 (5).

Mariotto, R. M. M. (2009). Cuidar, educar e prevenir: As funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo: Escuta.

Nunes, C., & Folque, M. A. (2012). Perguntar para quê? As perguntas dos educadores e o pensamento autónomo das crianças. CIEP - Artigos em Livros de Actas/Proceedings. URL: http://hdl.handle.net/10174/7525.

Papoušek, M. (2007). Communication in early infancy: An arena of intersubjective learning. Infant Behavior and Development, 30(2), p.258-266.

Pedrosa, M. I., & Carvalho, A. M. A. (2005). Análise qualitativa de episódios de interação: uma reflexão sobre procedimentos e formas de uso. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), p. 431-442.

Ramos, D. D., & Salomão, N. M. R. (2012). Interação educadora-criança em creches públicas: estilos linguísticos. Psicol. estud., 17 (1).

Reyes, E. G., & Pérez, L. V. (2014). Habilidades lingüísticas orales y escritas para la lectura y escritura en niños preescolares. Avances en Psicología Latinoamericana. Bogotá (Colombia), 32(1), p.21-35.

Rowe, M. L. (2008). Child-directed speech: relation to socioeconomic status, knowledge of child development and child voabulary skill. Journal of child language, 35(1), p.185-205.

Rowe, M. L., Ozçalişkan, Ş., & Goldin-meadow, S. (2008). Learning words by hand: Gesture's role in predicting vocabulary development. First language, 28(2), p.182-199.

Salomão, N.M.R. (2012). A fala dirigida à criança e o desenvolvimento da linguagem infantil. In C. A. Piccinini, & P. Alvarenga (Orgs), Maternidade e Paternidade: a parentalidade em diferentes contextos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Silva, A. A. (2011). De zero a três anos: os desafios da creche. Retratos da Escola, 5 (9).

Sokolov, J. L., & Snow, C. E. (1994). The changing role of negative evidence in theories of language development. Em C. Gallaway, & B. J. Richards. Input and interaction in language acquisition. London: Cambridge University Press, p.38-55.

Vasconcelos, C. R. F., Amorim, K. S., Anjos, A. M. & Rossetti-Ferreira, M. C. (2003). A incompletude como virtude: interação de bebês na creche. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), p. 293-301.

Vectore, C. (2011). Recursos mediacionais: possibilidades de usos em contextos infantis. In R. S. L. Guzzo, & C. M. Marinho-araújo (orgs), Psicologia Escolar: Identificando e superando barreiras. Campinas, SP: Editora Alínea.

Vygotsky, L.S. (1996). Obras escogidas. (Vol. 4). Madrid: Visor.

Vygotsky, L.S. (2000). A formação social da mente. (6ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.