DOI: http://dx.doi.org/10.12804/apl32.2.2014.04

La función intermediaria del psicodiagnóstico y de la posición de porta-síntoma en la dinámica familiar

Descargar Artículo
Marta Borghetti Bastos, Denise Falcke

Resumen


El psicodiagnóstico es una técnica de evaluación breve, realizada a partir de un conjunto de instrumentos, a través de los cuales de obtienen diversas formas de comprensión, dependiendo de la orientación teórica del profesional. El objetivo de esta investigación es comprender como se presenta en el psicodiagnóstico la psicodinámica entre el niño porta-síntoma e la familia. Se realizó una investigación cualitativa por medio de estudio de casos, a partir del análisis documental de procesos psicodiagnósticos, interpretados a la luz del psicoanálisis Vincular. Los resultados sugieren que el psicodiagnóstico puede desempeñar una función intermediaria entre paciente y familia produciendo efecto terapéutico y auxiliando la creación de la demanda del tratamiento. También se observó la función intermediaria que el niño ejerce entre las diferentes dimensiones de subjetivación de la familia.

Palabras clave


Psicodiagnóstico; intersubjetividad; psicoanálisis;

Texto completo:

PDF (Portugués)

Estadísticas de Uso:

Descargas
Año201420152016
Total9110364



Referencias


Amaro, C.; Grinblat, H.; Fontanari, J.; Dariano, J.; Poletto, R.; Oliveira, S. & Thomazi, V. (2007) Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade, 01, 150-185. Recuperado em Julho, 01 de 2012 de: www.revistacontemporanea.org.br

Barbieri, V. (2008) Por uma ciência-profissão: o psicodiagnóstico interventivo como método de investigação científica. Psicologia em Estudo, 13 (3), 575-584.

Benetti, S. P. C. (2006) Conflito conjugal: impacto no desenvolvimento psicológico da criança e do adolescente. Psicologia, Reflexão e Crítica, 19 (2), 261-268.

Bleichmar, E. (2005) Manual de Psicoterapia de la relación padre e hijos. Buenos Aires: Paidós.

Buck, J. N. (2003) H-T-P:casa-árvore-pessoa, técnica projetiva de desenho: manual e guia de interpretação. Tradução Renato Cury Tardivo; revisão de Iraí Cristina Boccato Alves. São Paulo: Vetor.

Cunha, J. A. (2003a) Estratégias de avaliação: perspectivas em psicologia Clínica. In J. A. Cunha et al. Psicodiagnóstico – V. (pp. 19-22) Porto Alegre: Artmed.

____________. (2003b) Fundamentos do psicodiagnóstico. In J. A. Cunha et al. Psicodiagnóstico – V. (pp.23-31) Porto Alegre: Artmed.

Cunha J. A., Nunes, M. L. T. & cols. (1993) Teste de Fábulas: forma verbal e pictórica. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Finkel, L. A. (2009) O Lugar da Mãe na Psicoterapia da Criança – uma Experiência de Atendimento Psicológico na Saúde Pública. Psicologia, Ciência e Profissão, 29 (1), 190-203.

Gastaud, M. B.; Basso, F.; Soares, J.P.G.; Eizirik, C. L.& Nunes, M. L. T. (2011). Preditores de abandono de tratamento na psicoterapia psicanalítica de crianças. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 33 (2), 109-115.

Hack, S. M. P. K. & Ramires, V. R. R. (2010) Adolescência e divórcio parental: continuidades e rupturas dos relacionamentos. Psicologia Clínica, 22 (1), 85-97.

Kaës, R. (2011) Um singular plural – A psicanálise à prova do grupo. São Paulo: Loyola.

_______. (2005) Espaços Psíquicos Comuns e Compartilhados: Transmissão e Negatividade. São Paulo: Casa do Psicólogo.

_______. (1997) O Grupo e o Sujeito do Grupo: elementos para uma teoria psicanalítica do grupo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lazzari, J. M. W. & Schmidt, E. B. (2008) Percepção dos pais em relação a mudanças após o processo psicodiagnóstico. Avaliação Psicológica, 7(2), 211-221.

McGoldrick, M. & Gerson, R. (2007) Genetogramas e o ciclo de vida familiar. In. B. Carter; M. McGoldrick & cols. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar.(pp. 144-164) Porto Alegre: Artmed.

Papp, L. M., Goeke-Morey, M. C. & Cummings, E. M. (2004) Mother´s and Father´s Psycological Symptoms and Marital Functioning: Examination of Direct and Interactive Links with Child Adjustment. Journal of Child and Family Studies, 13 (4), 469-482.

Piva, A. B.(2006) Fundamentos teóricos e técnicos para uma psicanálise vincular. In A. B. Piva & cols Transmissão transgeracional e a clínica vincular. (pp.215-234) São Paulo: Casa do Psicólogo.

Piva, A. B.; Ponsi, A.; Saldanha, C.; Gomes, E.; Martini, J.; Dariano, J.; Ferraro, K.; Silva, M. L. D. & Spizzirri, R. (2010) Origens do conceito de Intersubjetividade: Uma trajetória entre a Filosofia e a Psicanálise Contemporânea. Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade n.09, 71-91. Recuperado em Julho, 01 de 2012 de: www.revistacontemporanea.org.br

Organização Mundial De Saúde – OMS. (2009). Caring for children and adolescent with mental desorders. Setting WHO Directions. Geneva, 2009.

Ramires, V. R. R., Benetti, S. P. C., Silva, F. J. L. & Flores, G. G. (2009) Saúde Mental de Crianças no Brasil: Uma Revisão da Literatura. Interação em Psicologia, 13(2), 311-322.

Resende, A. C. & Santos, S. C. G. (2008) A polêmica do uso dos testes psicológicos. In: Strey, M. N. & Tatim, D. C. org. Sobre ETs e dinossauros: construindo ensaios temáticos. Passo Fundo: Editora Universitária.

Werlang, B. G. (2003a) Entrevista Lúdica. In J. A. Cunha & cols. Psicodiagnóstico – V. (pp. 96-104) Porto Alegre: Artmed.

____________. (2003b) Avaliação inter e transgeracional da família. In J. A. Cunha & cols. Psicodiagnóstico – V. (pp. 141-150) Porto Alegre: Artmed.

Wechsler, D. (1991/2002) WISC – III: Escala de Inteligência Wechsler para Crianças:Manual. Adaptação e Padronização de uma amostra Brasileira; Vera Lúcia Marques de Figueiredo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Yin, R.K. (2005) Estudo de caso – planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.